jusbrasil.com.br
25 de Maio de 2020
    Adicione tópicos

    Rejeitada queixa-crime contra jornalista

    há 6 anos

    Para crime contra honra, a acusação deve descrever a execução da ofensa e suas circunstâncias No entanto, este caso trata da opinião do jornalista sobre a gestão e desempenho do prefeito daquele município

    A queixa-crime contra o jornalista O J A, em ação penal ajuizada por A R, prefeito de Piracanjuba, foi rejeitada pelo juiz Gabriel Consigliero Lessa, do Juizado Cível e Criminal da comarca de Piracanjuba (TJGO) Ele acusou O de difamá-lo em matérias jornalísticas veiculadas no Jornal Piracan Para o magistrado, não houve conduta delituosa neste caso

    O J veiculou, na edição de nº 158 do Jornal Piracan, matéria jornalística sobre a conduta do prefeito Segundo o artigo, "a realidade vivenciada pelo povo de Piracanjuba, ao longo desses 14 meses de nova gestão, é a certeza de que justa, transparente e participativa nada tem ()" Contrariado com a publicação, o prefeito requereu o processamento da queixa na forma legal com a condenação de O nos crimes de injúria e difamação

    Segundo A, as matérias possuem cunho difamatório e atacam a condição que tem de chefe do poder Executivo, além de atingir sua dignidade e reputação O magistrado, contudo, ressaltou o artigo 220 da Constituição Federal de 1988, segundo o qual "a manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição" Gabriel Consigliero asseverou que não há dúvidas sobre a função e direito que a imprensa possui de informar, buscar a informação, opinar e criticar

    Ele destacou que os políticos estão sujeitos de forma especial às críticas públicas, sendo fundamental que se garanta ao povo em geral a fiscalização de suas atividades, de modo que as notícias que abordam assuntos políticos resultam interesse social dos cidadãos Para Gabriel, a matéria veiculada "está inserida no âmbito da liberdade de expressão" e que não existem fatos que comprovem a intenção de desonrar o prefeito

    O juiz pontuou que, para crime contra honra, seja injúria, calúnia ou difamação, a acusação deve descrever a execução da ofensa e suas circunstâncias, incluindo até mesmo palavras, agressões verbais ou qualquer outra manifestação de quem ofende Gabriel considerou que, neste caso, trata-se da opinião do jornalista sobre a gestão e desempenho do prefeito daquele município "O jornalista atuou com o direito constitucional que lhe pertence, ou seja, a liberdade de informação jornalística e livre expressão do pensamento", afirmou

    Ele ressaltou ainda que, além de ter garantido seu direito à livre manifestação do pensamento como cidadão, O é jornalista e encontra amparo na liberdade de expressão e comunicação, independente de censura ou licença, de acordo com o artigo da Constituição Federal "A opinião expressada pelo jornalista nada mais é que sua indignação política quanto aos caminhos trilhados pelo prefeito, como chefe do governo e não como pessoa", frisou

    Gabriel concluiu que não houve intenção de ofender neste caso, o que é essencial no recebimento e processamento da queixa-crime "Não havendo atribuição de fato criminoso, a imputação é insuficiente ao preenchimento dos crimes previstos nos artigos 139 e 140 do Código Penal", alegou

    O número do processo não foi divulgado

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)